quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Conclusões...

Sou tão parva, que me deixo ir abaixo muitas vezes por causa dos outros, os que me levam a isso, ficam bem e eu estou mal no dia seguinte, irra parva, parva que sou, sempre armada em ajudante, em amiga, ter tudo à disposição, dar tudo aos outros, ensinar tudo e a mim...nem um café me oferecem...
Toda a gente é muito amiga, até dos animais, muito queridas, muito fofas, mas se te mostras forte, nem sequer viram a cabeça para ver como estás. Mas os fortes também precisam de um carinho, certo?
Hoje fiz uma coisa má...quer dizer, não estive disponível...mas estou cheia de remorsos...deveria ter agido assim? sei lá, mas tive vontade de dizer não e disse, pronto.
Não sou mentirosa, nem tenho falsa modéstia, julgo ser verdadeira e odeio falsa modéstia. ODEIO mesmo.
Que raiva, mas isto passa e dentro de dias estou outra vez a ser parvinha que dói...


2 comentários:

  1. Marina, seus sentimentos são genuínos, ás vezes dói, mas já faz parte da personalidade de cada um, beijo

    ResponderEliminar
  2. Não acho que isso seja ser parvinha, mas ser boa pessoa embora às vezes seja preciso mesmo dizer não.

    ResponderEliminar