domingo, 25 de maio de 2014

Eleições

Apesar da insatisfação que sinto com o estado actual do nosso pais, sei que é meu dever e também o meu direito de exercer este acto que tantos lutaram para que o pudéssemos exercer. Ainda ontem falei com um Sr. que muito aprecio, que me contou que antes do 25 de Abril, fez dois requerimentos a pedir para o deixarem votar, sempre lhe sendo negado esse direito.
Vão 21 pessoas para o parlamento Europeu, quer nós os escolhemos ou não, portanto vou votar naquele que simpatizo, sendo que pode ou não ser uma boa escolha, mas o facto de o fazer, faz-me sentir uma cidadã com direito a reclamar e a dar opinião, quem não o faz, quanto a mim, não pode ter esse direito.

5 comentários:

  1. Aqui não estamos de acordo, ou melhor, pensamos de forma diferente. Mas isso é um princípio da Democracia e da Liberdade de Expressão e Opinião.

    Eu não voto!

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  2. Concordo em pleno. Mais: defendo que o voto deveria ser um dever (e não apenas um direito).

    ResponderEliminar
  3. Entre votos e conversas, lá foi o domingo, boa semana, beijo

    ResponderEliminar
  4. Errado. Quem não o faz, também TEM esse direito.
    Pode é não ter tanta legitimidade para criticar mas o direito esse, é próprio da sociedade democrática! Todos iguais... nada de filosofias de exclusão, o direito a voto assiste a todos, até mesmo aos que o negligenciam. E não faz sentido que assim não fosse.

    ResponderEliminar
  5. Eu faço sempre a minha parte, se quero mudanças tenho de votar. O problema é que há muita gente que reclama mas na hora h ninguém se mexe!

    ResponderEliminar