terça-feira, 23 de setembro de 2014

Civismo...

Outro dia comentei num blog famoso, quando o tema era o civismo nas filas de supermercado onde estivessem grávidas...eu considero-me muito cumpridora do meu dever civico, mas essa é uma das coisas que não concordo, filas especiais, ou caixas especiais para grávidas, são filas que eu nem lá ponho os pés, para não correr riscos de ser mal educada. Quando estive grávida não as usei, sempre me considerei com os mesmos direitos de todas as pessoas, se não podem ir ao supermercado não vão.
Para mim, é mais importante não deitar lixo para o chão, e grávidas a fazê-lo como vi hoje...então tiram-me do sério, já para não falar de toda a gente, jovens que deitam latas, pastilhas, papéis, beatas de cigarros, e todo o tipo de lixo, enervam-me, isso sim,  revolta-me a falta de civismo por parte do ser humano, e Portugal é dos paises mais sujos que conheço, apesar de conhecer poucos, este nosso pais que eu tanto amo, é dos mais sujos, culpa de quem?
Um dia destes ia a passar debaixo de uma janela e levei com uma beata, a pessoa fugiu para dentro, como se eu não a conhecesse, pois vivo naquele sitio há 23 anos, chamei-lhe porca, e chamarei sempre que o veja fazer. Custa-me imenso, a sério.



Á porta do meu local de trabalho existem dois cinzeiros  gigantes, mesmo, pois a maioria das pessoas atira as beats para o chão, é inadmissivel, ainda hoje chamei a atenção de uma miúda, nova colega, de 20 anos...e penso o que é que estes jovens pensam?

8 comentários:

  1. Eu concordo com as filas exclusivas para grávidas, idosos e pessoas com crianças de colo. Ainda não cheguei à fase de idosa(para lá caminho) mas nas outras situações usei sempre que pude e, em algumas vezes fiz questão de chamar a atenção. Em qualquer sítio que esteja dou prioridade a essas pessoas (grávidas, deficientes e pessoas com crianças de colo) e chamo a atenção dos empregados das caixas. São situações previstas na lei e se o são é porque, comprovadamente, essas pessoas não suportam com tanta facilidade o estar de pé (sim, também lhes dou lugar nos transportes) e a espera. Quem já esteve nessas situações sabe disso.
    Essa coisa das beatas é inqualificável. Já fui fumadora (de dois maços por dia) e nunca, mas nunca, deitei uma beata ao chão. Tinha um cinzeiro, tipo caixa de fósforos que trazia sempre na mala e que ficava muito bem fechado. Lixo para o chão também não deito. E tens razão, é de uma falta de civismo...é como cuspir ou escarrar para o chão. Nessas alturas também chamo a atenção.

    ResponderEliminar
  2. Pois eu também não concordo com as filas para gravidas, também já estive gravida duas vezes e sempre usei as caixas normais, quando não podia não ia mas nunca usei o estatuto de grávida para nada. Gravidez não é doença, uma cadeirinha e a grávida espera sentada, boa?

    Bjos

    Maggie

    ResponderEliminar
  3. E que tal umas cadeirinhas, numa fila, assim num hiper tipo Jumbo ou Continente, com uma mesinha e um baralho de cartas para se entreterem enquanto esperam, com os seus carrinhos carregados de compras ali ao lado? Iso para além de ficarem sentadas de pernocas abertas com as suas barrigas de 30 e muitas semanas? Simporque eu fiz vida normal até às 40 semanas e 4 dias!

    ResponderEliminar
  4. Eu trabalhei ate a vespera do rebentamento da bolsa...filhote nasceu no dia a seguir, amiga, nunca usei especial atendimento em lado nenhum, quanto a lei...ha tantas mal feitas, continuo com a minha opiniao, nao concordo. Nos transportes ate dou o meu lugar, mas porque eu quero, nao porque me mande lei alguma, enfim cada uma de nos com a sua opiniao, é a democracia, certo?
    Beijos às duas!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro minha querida. Cada um é feliz e defende os valores que entende. Eu se voltar a ficar grávida, lá estarei a reclamar o meu lugar! :)

      Eliminar
  5. Sim, há muita falta de civismo em Portugal. Em Lisboa, então, é em todo o lado!
    A questão das beatas é inqualificável!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Eu acho que há uma mistura de falta de civísmo, elevada ao expoente máximo, com falta de pensar no próximo, vulgus, egoísmo, pensar só no eu umbigo, etc e tal.

    ResponderEliminar