sexta-feira, 23 de agosto de 2013

A fragilidade da vida!!!

De manhã estava sem coragem, mas tinha prometido ir com o meu pai e a minha mãe ver o meu tio, irmão mais velho do meu pai, e a minha tia, que estão velhotes, mas estão em casa, com a assistência constante da minha prima, que tudo faz para que eles estejam bem. E tive de cumprir!!!
Quando chegámos estavam as Senhoras do Lar que lá vão levar a comida a chegar com o almoço, eram já duas horas, e lá ficámos a fazer-lhes companhia durante o almoço.
O meu tio tem 90 anos, come muito bem, mesmo bem demais! A minha tia tem 86 anos, come mal, cansa-se até a comer... Com as sua doenças e o peso da idade, lá vão andando.
Mas é nestas situações que me deparo com a fragilidade da vida...e deve ser tão triste estas idades...
Ainda antes de ir vê-los tinha visto nas noticias que cada vez há mais idosos abandonados nos hospitais, e muitos lá ficam com internamento prolongado por situação social...famílias que os abandonam, por não poderem tomar conta deles, isso é o que dizem, mas a maior parte quando os lá põem nunca mais os vão visitar. Isto doeu-me, como é que é possível que se abandonem os pais? Filhos e netos têm obrigações legais, mas mais importantes que as legais são as dos afectos, se não podem  recebê-los ajudem e peçam ajuda à Segurança social, mas não os abandonem...
 90 anos

86 anos

 78 anos

69 anos
Houve uma altura da nossa conversa em que o meu tio disse que um irmão deles, que infelizmente já não está entre nós, lhe batia, lhe mandava pedradas à cabeça e lhe partia a cabeça, rimos, e diz o meu pai e tu também me batias muitas vezes...o meu pai era o mais novo de cinco irmãos, apanhava por tabela!!!!
Fartámo-nos de rir!
Dos cinco irmãos restam estes dois e um com alzheimer, que já não conhece ninguém...
Por tudo isto e mais algumas coisas devemos viver o melhor que sabemos diariamente e aproveitar cada momento, (sem nunca esquecer quem somos e de onde vimos) cada dia como se fosse o último!

4 comentários:

  1. Olá Marina, é verdade que a vida é muito frágil,
    e as pessoas idosas mais vulneráveis, não deviam ser encaradas como descartáveis, é muito triste e
    desumano, mas todos vamos para lá...beijo

    ResponderEliminar
  2. Os nossos velhotes são tão valiosos. :')

    ResponderEliminar
  3. E é amá-los bem enquanto ainda os temos; depois não vale nada chorar e bater no peito.
    Em vida é que eles precisam de ser amados.

    ResponderEliminar
  4. Viver cada dia como se fosse o último...tal e qual e tão difícil que é quando falamos de apoiar os mais velhos os mais fragilizados, os que amamos... tanto na voragem que é a nossa vida à sua volta..aquela de que não podemos abdicar porque mantêm em funcionamento o nosso dia a dia...e o deles também que de nós dependem agora....Desesperante às vezes...Marina...mas nem desistir podemos...somos a sua força...sabes do que falo!
    Beijinhos amiga!

    ResponderEliminar