quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Da evolução....ou não...

Efectivamente a mudança dos tempos nem sempre é para melhor, eu acho. Hoje em dia andamos a criar os nossos filhos para serem dependentes de nós pais até cada vez mais tarde, isso incomoda-me imenso, chamem-me o que quiserem. Eu sempre fui para a escola no primeiro dia de aulas sozinha, sempre me soube desenrascar só, não sei se era obrigatório ou não, mas os meus pais nunca foram à escola, talvez por serem do campo. mas até no 12 º ano eu fiz tudo sozinha. Quando foi com o meu filho, fomos ás reuniões, mas ele sempre fez as matriculas sozinho e trazia os documentos para nós assinarmos. Assim que completou 18 anos passou a ser o seu encarregado de educação. Talvez por isso ele seja o homem que é, e que nos orgulha tanto.
Agora bebem, saem para jantar fora, para discotecas e jantares de amigos, mas os pais é que lhes fazem tudo, é que lhes dizem para não esquecerem isto e aquilo e aos 20 anos ainda vão ás reuniões de escola, que adultos vão ser estes a tomar decisões?  (Maria não leves a mal, eu sei que o fazes com o teu filho mais novo, tu é que sabes, mas eu vejo as coisas de outra maneira.) E os que andam nas tunas até aos 30? E os que nunca de lá saem? Que adultos vamos ter? No meu local de trabalho vejo muitos exemplos disto, jovens que sem saberem o que querem da vida vão ser pais, outros que mal ganham para fumar, sim porque hoje em dia os pais ainda lhes dão dinheiro para tabaco. O meu filho não é melhor que ninguém, mas orgulho-me do grupinho de amigos dele pois são todos muito iguais, portanto isto é certamente um problema de geração ou classe social.
Hoje em dia uma criança vai para o infantário, vai uma hora por dia, ao segundo duas horas e por ai fora, o meu foi aos 5 meses nove horas porque eu nem tive horas de amamentação ( disso tive pena).
Vamos deixar as crianças crescer, vamos dar-lhes autonomia, vamos dar-lhes responsabilidade, vamos pô-los a trabalhar nas férias, ensinar-lhes a vida logo aos 18 anos (ou antes).

Resultado de imagem para jovens de hoje

Sem comentários:

Enviar um comentário